Yoga


Yoga (pronuncie Yôga, com ô fechado) é uma antiga filosofia de vida que se originou na Índia há mais de 5000 anos. Se refere a disciplinas físicas e mentais originadas na Índia; Seu conjunto de técnicas promove o autoconhecimento, onde o indivíduo alcança sua consciência mais íntima, sua essência. No Yoga, essa consciência plena e pura recebe o nome de purusha, conhecido no ocidente como alma. O Yoga também promove o desenvolvimento integral do ser humano, trabalhando o corpo, a mente e as energias vitais (prana), motivo pelo qual é procurado por milhares de pessoas que apesar de não conhecerem sua proposta filosófica buscam qualidade de vida, desenvolvimento pessoal e outros motivos diversos. Há dezenas de linhas diferentes de yoga no mundo, que propõem não necessariamente caminhos contraditórios, mas sim diversos caminhos para alcançar os mesmos objetivos.

O termo Yoga
No devanágari, alfabeto utilizado no sânscrito, o termo é originalmente escrito desta forma: Provém da raiz sânscrita yuj, que significa “juntar”, “unir” no sentido de “integrar”, Yoga interpretado como “união” pois ele une e integra o corpo, a mente e nossas emoções para que sejamos capazes de agir de acordo com nossos pensamentos e com o que sentimos. Juntamente com o fortalecimento do corpo físico e o desenvolvimento da flexibilidade, o Yoga nos induz a um profundo relaxamento, tranqüilidade mental, concentração, clareza de pensamento e percepção interior
O gênero da palavra Yoga é masculino então a pronúncia correta é o yoga
No Yoga Sutra:
“Yoga é o recolhimento das atividades da mente”
“A unidade da respiração, da consciência e dos sentidos, seguida pela aniquilação de todas as condições da existência: isso é o Ioga.” Upanixade Maitri, VI:25
“Quando os cinco sentidos e a mente estão parados, e a própria razão descansa em silêncio, então começa o caminho supremo.

O estilo de Yoga praticado em nosso espaço é o Sámkhya Tantra.
Sámkhya é uma filosofia teórica, especulativa. Como as filosofias ocidentais, o Sámkhya tem como objetivo responder às perguntas básicas a respeito do Ser Humano e sua relação com a Natureza. Faz isso através da discriminação entre o que é a essência do Homem e o que não pode ser, fundamentando todas as respostas na lógica ou na vivência. Por não aceitar conceitos místicos, o Sámkhya é chamado de naturalista.
Tantra é uma tradição comportamental, que trata da maneira de relacionar-se consigo e com o Universo. É matriarcal, sensorial e desrepressor. Cultiva e valoriza a liberdade, a satisfação e os bons relacionamentos.

Ashtanga: os oito partes do Yoga
Referidos como componentes ou etapas, são passos que se sobrepõem à medida que se avança no caminho. São:

Yama ou refreamentos
Ahimsa ou não-violência
Satya ou não mentir
Asteya ou não-roubar
Brahmacharya ou não dissipar a sexualidade
Aparigraha ou não cobiçar
Niyama ou auto-observações
Saucha ou limpeza
do corpo: alimentação, limpezas corporais (shat-karma) e pranayama.
da mente, do intelecto, das emoções
do lugar em que se pratica Ioga
Santosha ou auto-contentamento
Tapas ou auto-superação
esforço do corpo, da fala e da mente
Svadhyaya ou auto-estudo
Ishvara pranidhama ou auto-entrega
Asana ou posições psicofísicas
Pranayama ou expansão (ayama) da força vital (prána) através de exercícios respiratórios
Pratyahara ou abstração dos sentidos externos
Dharana ou concentração mental

Dhyana ou meditação
Samadhi ou absorção meditativa

As Técnicas do Yoga
Existem várias modalidades de Yoga, cada uma enfocando um aspecto mais do que outro. As técnicas mais utilizadas são:

Ásanas: os exercícios físicos que fortalecem o corpo, aumentam sua agilidade e previnem contra várias doenças, principalmente as psicossomáticas. Diferente de outros métodos, os exercícios são feitos respeitando o alinhamento das cadeias musculares e com total consciência do corpo. Assim, não há risco de distensões ou lesões. Além disso, os ásanas desbloqueiam áreas tensas que impedem o fluxo da energia vital. Em última análise, as doenças surgem quando esse fluxo não é adequado.

Pránáyáma: são os exercícios respiratórios. No ínicio, eles vão reeducar os músculos envolvidos na respiração ampliando-a e melhorando a absorção do oxigênio. Depois, eles atuam em nossas emoções auxiliando-nos a lidar melhor com elas e produzindo um estado de equilíbrio interior. Os pránáyámas também agem diretamente sobre nossa energia, aumentando-a e melhorando sua distribuição pelo corpo.

Yoganidra: aqui, aprendemos a descontrair conscientemente cada músculo e cada parte do nosso corpo. Depois, nos imaginamos envolvidos por uma cor específica ou passeamos mentalmente por praias paradisíacas, belas montanhas, campos floridos, etc. Tudo isso para que possamos sair da agitação do cotidiano e perceber outras formas de viver com mais tranqüilidade. A serenidade advinda desses momentos é deliciosa e permanece por vários dias.

Meditação: meditar é sentar-se quieto e observar a si mesmo. Estamos sempre preocupados em conhecer tudo aquilo que está ao nosso redor mas nos empenhamos muito pouco em descobrir o que acontece dentro de nós: como lidamos com os fatos da vida, como pensamos, como sentimos, quais nossas verdadeiras aspirações. A meditação nos oferece a possibilidade de nos conhecermos mais profundamente.

O Om é o mantra mais importante do hinduísmo e outras religiões. Diz-se que ele contém o conhecimento dos Vedas e é considerado o corpo sonoro do Absoluto, Shabda Brahman. O Om é o som do infinito e a semente que “fecunda” os outros mantras. O som é formado pelo ditongo das vogais a e u, e a nasalização, representada pela letra m. Por isso é que, às vezes, aparece grafado Aum. Estas três letras correspondem, segundo a Maitrí Upanishad, aos três estados de consciência: vigília, sono e sonho. “Este Átman é o mantra eterno Om, os seus três sons, a, u e m, são os três primeiros estados de consciência, e estes três estados são os três sons”

Quais os Efeitos do Yoga?
O Yoga atua em todos os níveis do nosso ser: físico, mental e emocional. Mas o que torna o Yoga único é o fato dele não apenas alongar todas as partes do corpo, mas também massagear os órgãos internos e as glândulas. Ele coordena o sistema respiratório com o corpo físico, relaxa os músculos e a mente, estimula a circulação e aumenta a provisão de oxigênio em todos os tecidos. As costas, peito, sistema digestivo e pulmões são os mais beneficiados pelos exercícios e o resultado é que o processo de enrijecimento devido à inatividade, o cansaço, a postura incorreta e o envelhecimento é revertido. A prática regular do Yoga garante uma qualidade de vida muito melhor, livre dos efeitos nocivos da correria e da tensão do cotidiano.

O Que é Necessário para Obter esses Efeitos?
Diferente do que muita gente pensa, não é necessário acreditar em nada exótico para praticar Yoga e receber seus benefícios. Tudo o que você precisa é praticá-lo com regularidade e empenho. A constância no Yoga opera verdadeiros milagres em nosso corpo e em nossa vida. Os exercícios são simples e você os conquista gradualmente, respeitando o seu ritmo próprio.

Pergunta Freqüentes que nos Fazem.

O que é Yoga?
O Yoga (pronuncie Yôga, com ô fechado) é uma antiga filosofia de vida que se originou na Índia há mais de 5000 anos. Não obstante, ele figura ainda hoje em todo o mundo como o mais antigo e holístico sistema para colocar em forma o corpo e a mente. Literalmente, Yoga significa união pois ele une e integra o corpo, a mente e nossas emoções para que sejamos capazes de agir de acordo com nossos pensamentos e com o que sentimos. Juntamente com o fortalecimento do corpo físico e o desenvolvimento da flexibilidade, o Yoga nos induz a um profundo relaxamento, tranqüilidade mental, concentração, clareza de pensamento e percepção interior.

Quais os efeitos da prática do Yoga?
Os efeitos do Yoga são muitos: desenvolve o tônus muscular, alonga a musculatura devolvendo agilidade ao corpo, amplia a capacidade pulmonar, fortalece o sistema cardiovascular, reduz o estresse, aperfeiçoa a postura, melhora a circulação, aumenta a resistência física, o equilíbrio e a consciência corporal. Esses efeitos dependem da regularidade com que você pratica. Embora levem alguns meses para se manifestarem, esses benefícios lhe acompanharão por toda a vida.

Quantas vezes por semana devo praticar?
O melhor é praticar todos os dias mas nem sempre isso é possível. Duas práticas por semana produz um resultado bom em médio prazo. Praticando três ou quatro vezes na semana, você fortalece e energiza seu corpo muito mais rapidamente, o que lhe deixará estimulado a continuar a prática. Regularidade é fundamental para obter resultados, portanto, não falte nas práticas.

E se eu não conseguir fazer todos os exercícios?
Nenhum de nós consegue fazer todos os exercícios. Se você ficar perdido durante a prática, pare por um momento e observe as pessoas que estão ao seu lado. É comum, nas primeiras semanas, ter alguma dificuldade pois não estamos familiarizados com os exercícios. Após algumas práticas, você será capaz de acompanhar perfeitamente as instruções do professor.

Mas e se eu não puder nem mesmo tocar os pés?
Para começar a praticar Yoga, a única coisa que você precisa é de uma mente flexível. Com tempo e paciência a flexibilidade virá. O mesmo podemos dizer em relação à força. No Yoga trabalhamos dentro dos limites de cada um e nosso principal objetivo é desenvolver a aceitação em relação ao corpo. É a partir da aceitação que poderemos crescer na prática e expandir nossos limites.

O que devo vestir para praticar?
Use roupas leves e próprias para exercícios. Uma camiseta com bermuda, short ou calça de moletom é suficiente e praticamos com os pés descalços. É importante que a roupa seja confortável e visualmente agradável. Isso aumenta nossa vontade de praticar.

O que significa NAMASTÊ?
NAMASTÊ é o cumprimento em sânscrito que usamos no final da prática e significa “a minha essência saúda a sua essência”. Essa saudação invoca a percepção de que todos compartilhamos da mesma essência, da mesma energia e, portanto, não há distinção ou competitividade entre os praticantes. O Yoga nos ensina a ver nos outros um reflexo de nós mesmos: alguém que também chora, ri, sofre e ama como nós. Assim, esenvolvemos a compaixão e a conexão com tudo o que nos rodeia.